Quarta, 10 Junho 2015 22:53

Ideologia... A Profecia Se Cumpre Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

 

So say we all

Ideologia... A Profecia Se Cumpre 

Rebelde, poeta, boêmio, exagerado, apaixonado pela vida... Mas a vida não queria ser sua consorte eternamente, pois ela deixaria para a morte, cuja qual intensamente desafiava, o destino de sua tão almejada imortalidade, ficando esta reservada a sua mensagem que perduraria pelas décadas, e talvez ate pelas gerações seguintes onde aquele burguesinho sem vergonha da zona sul, nascido em um berço de ouro musical iluminado por uma constelação de estrelas da musica nacional que o inspiraram no caminho de sua ideologia, seria para sempre lembrado.

O infante Agenor encontrou em um de seus ídolos (Cartola) a importância e o peso do nome que tanto detestava na escola. O pequeno, por isso Cazuza, garoto, ou moleque, nascido poeta, tornar-se ia um profeta, nos alertando de um tempo onde nossos sonhos seriam vendidos ate por nós mesmos em troca do pão de cada dia. Onde a fome doí tanto quanto um coração partido em meio à decepção de apostar nossa fé e bom senso em um sistema falido, e desumano. 

Em meio a esse turbilhão alucinógeno, psicodélico, e inacreditável, jovens como cazuza, cuja caretice era uma doença curada com grandes festas e bebedeiras, falavam não o que deveria ser dito, mas sim o que deveria ser pensado por todos, não apenas repetido, mas compreendido pelo Gran Monde.

 

Nossos heróis morreram, e os que sobraram se corromperam...

Seus, e nossos heróis não usavam capa, botas, trajes especiais ou armaduras, e nem tinham poderes extra-humanos, tão pouco morriam velhos e caretas. Seus, e nossos heróis, enxergavam o mundo como ele realmente é... oco e vazio. E nas suas vozes, canções, e discursos políticos contra a doença que assolava a humanidade, A Desumanidade, tentavam sem sucesso mudar as coisas. Mas algumas vozes solitárias não poderiam ser ouvidas, pois eram como gotas em um grande rio furioso, cuja correnteza levava sempre a indiferença. Mas se no caminho desta luta surgissem mais vozes, e se juntassem tornando-se uma força imensa, um só protesto, uma só mensagem, “Humanidade Já”, então esse rio de correnteza furiosa desaguaria em um mar, se tornando um oceano com um poder tão devastador que certamente sim, poderia mudar o rumo das coisas, poderia mudar o sistema.

Seus, e nossos heróis, queriam nos dizer, não faça como nós, mas sim faça diferente daqueles que deveriam dar o exemplo. Esses a quem escolhemos nos proteger, e nos inspirar, que deveriam garantir o nosso presente, para que assim tivéssemos condições de preparar para o futuro aqueles que formariam uma nova geração, esses a quem escolhemos, a quem depositamos nossa confiança, nos feriaram, traíram, e nos roubaram, transformando-se ao de um aliado, em um inimigo sem escrúpulos.

A bandeira hasteada, o símbolo de nossa soberania que balança em meio aos corações vazios, mesclando-se ao imenso céu cinza, refletia seu verde amazônico desbotado aos olhos de quem no peito cala o clamor, e na garganta não deseja apenas bradar o grito de gol.

Ideologia eu quero uma pra viver...

A juventude, e todas a suas sensações naturais da pré maturidade, o amanhecer da fase adulta e das responsabilidades, comemorada com dores de parto, diversão, e a alegria de todos os prazeres que por direito, e ate mesmo sem ele, não deveria ser negada a ninguém. A doença tornava a juventude inquieta, temerosa, e oprimia o velho mandamento, o de viver... Infiéis. As drogas se tornavam cada vez mais uma alienação, enquanto a espada empunhada pelos velhos mestres e heróis perdia sua força para o comodismo, e mensagens sem proposito.

 

 

Meu Sex and drugs, não tem nenhum rock´n roll

 

Sem a força dos antigos profetas, não conseguíamos decifrar quem éramos, quem somos. A juventude adulta perdida em um mundo imaturo que cobra responsabilidades, te pressiona, exige coisas, mas não te da nada pelo teu suor, sangue ou lagrimas, e ainda te entorpece com enlatados, e te mostra em um espelho o que você não é, mas sim o que querem que você seja, e o que você faça, querem que você siga o velho ritual.

As velhas fantasias coloridas, as botas de combate, e os chapéus de faroeste foram trocados durante a madrugada pálida após juventude por uniformes sem cor e medalhas com sorrisos idiotas.

 

Morra por seu país, porque eles não tem intenção alguma de fazê-lo no seu lugar

 

Não precisamos de analistas, porque eles já dizem aos nossos filhos quem somos nós. Algo se perdeu, e preferem manter assim, porque a ignorância é uma forma barata e rentável de controle, conservando as gerações, nossos filhos, sob as rédeas de uma educação que vai mantê-los no caminho que eles, e não você escolheu. Ate mesmo aquele garoto desejoso em mudar as coisas, que julgávamos uma esperança com seus discursos ao proletariado nos decepcionou ao entrar em contato com algo mais valioso que a prata e o ouro... O poder.

 

Seus e nossos heróis tombaram um a um. Sobreviveram apenas os vilões com aparente boa intenção. Mas se o inferno de boas intenções esta cheio, então em que pátria vivemos se habitamos o país das boas intenções?

 

Vídeo Clip Original Ideologia

 

Lido 704 vezes Última modificação em Quarta, 26 Agosto 2015 22:55

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.